Certificação ambiental para quê? Uma área de atuação promissora

Apesar de ser um assunto cada vez mais presente, ainda temos poucos arquitetos envolvidos nesses processos e que se arriscam a trabalhar com Certificação Ambiental. Isso é compreensível, pois ainda é um assunto ausente nas faculdades de Arquitetura.

Me interesso muito por assuntos que possam melhorar a qualidade dos processos de projeto e dos edifícios das nossas cidades. A Certificação Ambiental é um destes.

Os Processos de Certificação Ambiental de Edificações está a mais de 10 anos presente em projetos e obras no Brasil. Em sua maioria através dos processos de certificação LEED e AQUA-HQE.

Tem razão quem pensa que os processos ficam mais complexos e que a obra fica mais cara, entretanto, são argumentos parciais. As obras com Certificação Ambiental gastam em torno de 10% a mais do que uma obra convencional, com retorno previsto em até 5 anos. E esse retorno é curto se considerados os benefícios.

O edifício com Certificação Ambiental consome menos recursos da rede pública durante toda sua vida útil. Menor consumo de água e energia. Menos gasto para o empreendedor e alívio para as concessionárias locais sobrecarregadas.

Esse mesmo edifício é construído gerando muito menos resíduos durante a obra, e irá gerar menos resíduos durante sua operação. O meio-ambiente agradece.

O edifício certificado também apresenta melhores condições de trabalho e moradia aos seus usuários, com impacto direto na saúde dos envolvidos.

E os envolvidos, principalmente o empreendedor, ainda podem adotar a Certificação como promoção do seu negócio.

Muitas vantagens, não é? Ainda tem mais!

Além dos benefícios para o meio ambiente, empreendedor e usuários, os processos de projetos e obras com certificação ambiental exigem a mobilização de maior quantidade de profissionais com qualificação para esse assunto. Ou seja: impulsiona o mercado de projetos e de construção civil de maneira geral, considerando também a aplicação de materiais e sistemas com tecnologia de ponta.

A sustentabilidade em edificações toma impulso maior a partir dos anos 90. Desde então foram criados processos, legislações e mecanismos de certificação ambiental para os empreendimentos. Um exemplo é o índice Dow Jones de Sustentabilidade, lançado pela Bolsa de Nova York, o primeiro índice global dedicado ao mapeamento e ao acompanhamento do desempenho financeiro das empresas que incorporam conceitos de sustentabilidade em seus negócios. Recentemente em São Paulo foi lançado o novo Plano Diretor, onde vemos em seu conjunto de leis, incentivos financeiros para que os empreendimentos adotem certificação ambiental reconhecida, de âmbito nacional ou internacional.

Ou seja, se você pretende se preparar para novos trabalhos e aumentar suas chances para um novo emprego ou novos projetos, é muito importante que você tome conhecimento dos processos de certificação ambiental disponíveis no mercado. Leia sobre isso, procure cursos introdutórios que mostrem o panorama, as possibilidades e, principalmente, o que significa um processo de certificação ambiental nas rotinas de desenvolvimento de projetos e obras.


Omar Dalank

Fundador da Beoog. Arquiteto desde 1997, técnico em construção civil desde 1992 e professor na Escola da Cidade desde 2003, trabalha com arquitetura e urbanismo em suas várias complexidades e escalas desde os 16 anos de idade, tempo de atuação e variedade de programas que lhe permitiu acumular grande experiência e domínio nos vários aspectos que envolvem o desenvolvimento em arquitetura. Entende que a percepção de mundo do sujeito é tão importante quanto o objeto construído, afinal é no espaço entre as coisas que vivemos, e é nessa construção daquilo que nos rodeia que dedica a sua vida profissional.

Deixe um comentário